"Ninguém educa ninguém. ninguem educa
a si mesmo, os homens se educam entre si,
mediatizadas pelo mundo."
Paulo Freire

29/06/2020 11:39 - “A educação não sairá ilesa dessa pandemia”, diz presidente do Simted de Amambai

Erli Fernandes da Silva é professora da rede pública há cerca de 30 anos e avalia que impactos da pandemia de Covid serão sentidos por alunos, profissionais da educação e, inclusive pais, pelos próximos anos.

**Amambai (MS)-** Segundo a Organização das Nações Unidas (Onu), em todo o mundo, 9 em cada 10 estudantes estão temporariamente fora da escola como medida de prevenção contra a  pandemia do novo coronavírus. Para a presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação Básica (Simted) de Amambai, Erli Fernandes da Silva, que é professora há quase 30 anos, os impactos causados na educação brasileira e, consequentemente amambaiense, serão sentidos ainda pelos próximos anos. 
Seja aluno, professor, servidor administrativo ou até mesmo pais, todos sentem na pele as mudanças que estão sendo causadas na educação nessa pandemia. “É um momento muito delicado pelo qual nunca imaginamos passar”, ponderou Erli. 
Com as regras de distanciamento social, alunos não têm ido à escola e aulas remotas precisaram ser adotadas. Com isso, os professores das redes municipal e estadual de Amambai precisaram adaptar suas aulas às tecnologias, assim como os alunos, que precisam assistir, a maioria com a ajuda dos pais, a vídeo-aulas. “Este ano letivo está sim comprometido e sentiremos os impactos disso pelos próximos anos”, disse a presidente do Simted. 
Segundo ela, além do conteúdo em si, a pandemia prejudica também o cunho socioafetivo da comunidade escolar. “Os alunos precisam da escola, da presença do professor, eles sentem saudades disso e o professor também (...) a escola e o trabalho desenvolvido pelos profissionais da educação são insubstituíveis e as aulas a distância são ineficazes para a efetiva aprendizagem (...) está sendo difícil para todo mundo e não há culpados disso”, frisou a presidente do Simted. 
**Medidas de Biossegurança**
Os governos municipal e estadual através de suas secretarias de educação têm trabalhado para montar um plano de biossegurança para a retomada das aulas presenciais. Não há ainda uma previsão para o retorno, mas quando acontecer, deverá ser feito com segurança e prevenção tanto para alunos quanto para professores e profissionais administrativos. 
Dentro desses planos estão tapetes higienizadores, revezamento de turmas e distanciamento de, no mínimo 1,5m. Erli avalia que a funcionalidade desse plano não é impossível, mas que é sim, bem difícil. “Vai dar certo, mas será necessária muita organização e um trabalho muito profundo com toda a equipe da comunidade escolar”, disse. 
 **Recados a pais e professores** 
Conforme já mencionado, a presidente do Simted avalia como sendo muito difícil este momento. Então aos pais e responsáveis de alunos, Erli recomenda que haja paciência e que tentem montar uma rotina de estudos em casa, por menor que seja. 
“Mãe...pai, peça para o seu filho ler para você ou você mesmo leia para ele, pode parecer uma atitude pequena, mas ela fará toda diferença nos próximos anos”, ressaltou. 
Aos professores e servidores administrativos, os votos de Erli são de força e equilíbrio. “Professor, administrativo, nossos estudantes precisam de nós, apesar de difícil, temos que acreditar que isso logo vai passar”, finalizou. 

Moreira Produções – Assessoria