Em data histórica, FETEMS cobra direitos dos(as) trabalhadores(as)

O dia 31 de março é uma data histórica para quem luta pela democracia no Brasil. Nesse dia, a exatos 53 anos, João Goulart era deposto do cargo de presidente da República por um Golpe Militar,porque ousou em iniciar as ditas “Reforma de base”, apresentadas como uma alternativa para garantir o desenvolvimento do País e a diminuição das desigualdades sociais. No dia de hoje, a FETEMS demonstrou mais uma vez porque é uma instituição de vanguarda na luta sindical sul-mato-grossense.

Em seus 38 anos de história, foram muitas as lutas, mas nenhuma delas deve despertar maior vontade de lutar do que a próxima batalha.E a que está sendo travada no momento é contra um inimigo ardiloso. É uma época em que não temos nosso direito de ir e vir cerceado como aconteceu na “Era de Chumbo”, no entanto a classe trabalhadora está assistindo paulatinamente direito a direito, sendo retirados. Aumentando ainda mais as desigualdades entre as classes. As mesmas, propostas por aquele governo extirpado do poder, porque pensava em garantir direitos como a: Previdência Social, 13ºsalário, férias, Fundo de Garantia, Direitos Trabalhistas, jornada e outros temos que atualmente são tão familiares a qualquer trabalhador(a).

Fomos para as ruas hoje e paramos estradas em todo Mato Grosso do Sul, porque o atual governo, que sob o manto da “Lei e da Ordem” quer retirar todos esses direitos. Na pauta, a Reforma da Previdência e todas as suas mazelas, depois a Reforma Trabalhista que extingue a CLT(Consolidações das Leis do Trabalho).A Terceirização, já passou pela Câmara Federal, precarizando as relações de trabalho.

Em todas as regiões do Estado, professores, professoras, funcionários(as) administrativos(as),eletricitários, agentes penitenciários, trabalhadores dos correios, trabalhadores rurais, juízes trabalhistas, advogados trabalhistas e empresários, caminharam juntos nessa sexta-feira(31). “Fomos mostrar que não assistiremos a afronta que o Governo Federal propõe a cada cidadão e cidadã que se permite discernir sobre os reais motivos dessa sanha por reformas que só retiram direitos dos(as) trabalhadores(as).Que possui como pano de fundo um Estado Mínimo, sem direitos básicos como Previdência, Saúde,Educação e Segurança, como dever do Estado, repassando à iniciativa privada essa responsabilidade”, alertou o diretor financeiro da FETEMS,professorJaime Teixeira, que participou da atividade da Federação na região Norte do Estado.

A mobilização reuniu também representantes do SINTEP/MT que solidarizaram com os(as) trabalhadores(as) em educação de Mato Grosso do Sul.”A luta é unificada, todos iremos sair perdendo com o que está sendo proposto pelo Governo Federal. Nessa hora não há cor de bandeira”, disse Basili Belmonte, representante da regional Sul

"A Classe Trabalhadora está ameaçada por um governo ilegítimo, que com reformas da calada da noite, quer destruir nossa aposentadoria, nossos direitos garantidos pela CLT, que formar mão de obra barata e terceirizar os serviços do país",enfatizou o presidente da FETEMS, Roberto Botareli.

Para a presidenta da vice-regional de Coxim, Thereza Cristina Ferreria Pedro, as ações foram realizadas de maneira ordeira e pacífica.”Fizemos a paralisação, a panfletagem e acima de tudo deixamos o recado que caso o Governo insista nessa Reforma,vamos cobrar ainda mais de cada um dos deputados e senadores um posicionamento contrário a essas Reformas”, afirmou.

O presidente do SIMTED e São Gabriel do Oeste,Onivan Correa, foi enfático.”Essa paralisação é um recado para o dia 28 de abril para a nossa paralisação nacional”,disse.   
       

“Tivemos um apoio espetacular, as manifestações das pessoas que passaram pelo local foram lindas e emocionantes. Só quem foi e viu pôde sentir. Mesmo ficando parados no bloqueio quando passavam por nós passavam alegres, comemorando, buzinando, batendo palmas, acenando e fazendo sinal de ok (com raríssimas exceções). O que mostra claramente que o POVO está contra estas reformas e os desmandos deste DESGoverno”, afirmou a vice-presidenta da FETEMS,Sulei Veiga Melo. Ela participou da atividade em Bataguassu.  

 Pontos do TRANCAÇO:

SONORA. O fechamento se dará na BR-163 a 1 KM antes da divisa com o estado de MT;

MUNDO NOVO. O fechamento ocorrerá na BR-163 no Papagaio aproximadamente a 2 KM da divisa com o PR;

TRÊS LAGOAS. O fechamento será feito na BR-262 na rotatória que dá acesso à ponte da divisa com SP;

CORUMBA. O bloqueio será feito na BR-262 no antigo pedágio que dá acesso à Bolívia;

APARECIDA DO TABOADO
O fechamento se dará na BR-158 no trevo que antecede a ponte rodoferroviária que dá acesso à Santa Fé estado de SP;

BATAGUASSU
O bloqueio será feito NA BR-267 no Porto XV. JARDIM. O fechamento será na BR-267, no cruzamento da BR com a saída para Guia Lopes.

SIDROLÂNDIA. O bloqueio será na BR-060. Divisa entre Campo Grande e Sidrolândia.



        


                   

Azael Júnior/FETEMS

VEJA TAMBÉM

NACIONAL

Professores sentem a...

A perda de direitos trabalhistas deve aflorar um cenário já desfavorável aos...

NACIONAL

Vice-presidenta da FETEMS...

A vice-presidenta da FETEMS e Secretaria Nacional Adjunta de Formação da CUT,...

ESTADUAL

FETEMS foi à região nor...

A FETEMS esteve nos municípios de Sonora, Rio Verde, Pedro Gomes e Coxim, nesta...